IV BIENAL DO LIVRO DE ITABAIANA-SE

Olá meu amores, tudo bem com vocês? É com muita alegria que faço esse post para mostrar um pouco como foi minha experiência na Bienal, a primeira vez que fui e pretendo não perder mais nenhuma. Foi incrível! 




Os blogueiros e futuros jornalistas junto com o jornalista daqui de Sergipe Gilmar Fontes






Neusa, autora do livro Não é Hora de Correr para a Caverna





Conheçam o blog o Pedro



Eu ensaiando para quando for sentar oficialmente na praça dos escritores rsrs










Tem escritor mais fofo gente? rsrs

DIVULGAÇÃO INSTAGRAM #1

Hoje vou divulgar alguns igs que sigo. São todos lindos e fofos, vão lá da uma olhadinha e sigam também! Toda semana irei dedicar um post para essas divulgações. Espero que gostem!





























HISTÓRIA DE AMOR


Era uma vez uma ilha, onde moravam os seguintes sentimentos:

A alegria
A tristeza
A vaidade
A sabedoria 
E o amor.

Um dia, avisaram para os moradores desta ilha que ela ia ser inundada. Apavorado, o amor cuidou para que todos os sentimentos se salvassem. E ele falou: fujam todos, a ilha vai ser inundada!

Todos correram, pegaram seus barquinhos e foram para um lugar bem alto. Só o amor não se apressou, pois ele queria ficar um pouco mais com a sua ilha. Quando já estava se afogando, correu para pedir ajuda.

Estava passando a riqueza e ele disse:

- Riqueza leva-me com você? E ela respondeu: - Não posso amor, meu barco está cheio de ouro e prata, você não vai caber.

Passou então a vaidade e ele pediu:

- Ó vaidade! Leva-me com você?

- Não posso, você vai sujar meu barco.

Logo atrás vem a tristeza e ele perguntou:

- Tristeza, posso ir com você?

- Ah! Amor, estou tão triste que prefiro ir sozinha.

Passou a alegria, mas estava tão alegre que nem ouviu o amor chamar por ela.

Já desesperado, achando que ia ficar só, o amor começou a chorar. Então passou um barquinho onde estava um velhinho e ele falou:

- Sobe amor, que eu te levo.

O amor ficou radiante de felicidade que até esquecer de perguntar o nome do velhinho.

Chegando ao morro alto, onde estavam os sentimentos, ele perguntou a sabedoria:

- Sabedoria, quem era o velhinho que me trouxe aqui?

E ela respondeu: - O tempo.

- O tempo? Perguntou o amor. Mas por que só o tempo me trouxe aqui?

- Porque só o tempo é capaz de entender um grande amor.


PARCERIA: AUTOR SIDNEI COELHO

Olá meus amores, o blog fechou uma parceria com o escritor Sidnei Coelho do livro O Ladão de Sonhos. Estou apresentando ele pra vocês e assim que eu lê faço a resenha. Já estou super ansiosa, li apenas um pedacinho e já gostei muito, espero que vocês também gostem. Vou falar um pouco sobre o autor, sobre o livro e deixar as redes sociais pra vocês acessarem e ficarem por dentro de tudo.


Sinopse:

Ele nasceu predestinado a fazer coisas grandiosas e de fato a sua juventude foi muito promissora. Mas eventos inesperados transformaram o jovem talentoso em um homem vazio e esquecido. Dezessete anos se passaram, quando ele descobriu um poder tão sombrio que transformou uma cidade inteira em um lugar de trevas e solidão. Mas um encontro inesperado mudou tudo o que ele pensava sobre a vida e essa pessoa se tornou a única esperança de todas as vidas que ele destruiu.




Sobre o autor Sidnei Coelho:


Iniciei minha carreira de escritor por volta dos dez anos, escrevendo alguns versos e minhas pequenas histórias de duas ou três páginas. Não tenho dúvidas de que escrever faz parte da essência humana e cada um de nós possui a sua capacidade de juntar palavras.

Ao longo dos anos escrevi centenas de pensamentos e poesias e, com o tempo, passei a partilhar esses pensamentos, levando adiante aquilo que acredito. Escrever sempre foi a minha maior paixão, não tenho dúvidas de que é possível ajudar a mudar o mundo se usarmos as palavras certas.

A literatura me fascina, eu cresci em meio as histórias e agradeço a Deus pelo dom de escrever. Tudo que faço é com muita dedicação e amor. Desejo que as minhas palavras possam ajudar a levar mais amor e esperança ao mundo.




SITE DO AUTOR

SITE DO LIVRO

INSTAGRAM

BLOG

RESENHA: LIVRO "ARMADILHAS DA MENTE", DE AUGUSTO CURY


Sinopse: Camille é uma mulher bela, rica e brilhante, capaz de deixar as pessoas impressionadas com sua sensibilidade de debater e argumentar. Mas seus diplomas e seu intelecto não foram suficientes para evitar que se tornasse vítima de suas próprias emoções. Casada com o banqueiro Marco Túlio, Camille foi fechada em seu próprio mundo. Crítica, obsessiva, pessimista, não gostava de ser confrontada e não se curvava diante de ninguém, nem de psiquiatras ou psicólogos. Não concluía nenhum tratamento. Vendo a depressão, as manias e as fobias de sua esposa se agravarem Marco Túlio resolve comprar uma linda fazenda para que ela possa se afastar do estresse da cidade, respirar ar puro, se reconectar com a natureza e, quem sabe, com ela mesma. Mesmo assim, transtornos mentais a impedem de sair de casa e pesadelos constantes não a deixam dormir.

A reviravolta, porém, muitas vezes começa onde menos se espera. Quando conhece o excêntrico jardineiro da fazenda, Camille se surpreende com sua inteligência e, ao interagir com ele, a alegria volta pouco a pouco ao seu coração. Em seguida entra na sua vida o sábio e instigante Marco Polo, que a estimula a superar os conflitos e procurar um personagem que deixa pelo caminho: ela mesma. Camille terá que aprender a se perdoar e a compreender pessoas "imperdoáveis".


A mente mente. A mente é uma das maiores pregadoras de peças.

Resenha: Camille tinha 26 anos, era determinada, ousada e impulsiva, nunca aceitava uma ideia sem antes questioná-la. Fazia doutorado em ciência da comunicação, com ênfase em psicanálise. Era rica, culta, mas não saía sozinha na rua, tinha fobia social. A mulher que tinha uma autoestima sólida, tornou-se uma especialista em cobrar. Andava sempre triste, abatida e infeliz. Estava cheia de fantasmas interiores, imaginava-se infartando e sofrendo acidentes.

Seu marido, Marco Túlio, 33 anos, era sensível e com dom para os negócios, era acionista minoritário de um banco de investimentos. Ele já não aguentava mais ver a esposa naquela situação, dizia que Camille não era mais a mesma, vivia sempre isolada. No início do casamento não era assim, antes tinha prazer ao chegar em casa e ser recebido com a maior alegria. Fazia o possível para animá-la, programava viagens, comprava coisas que ela gosta, mas nada adiantava. Decidiu levá-la para a fazenda Monte Belo, acreditava que o contato com a natureza pudesse ajudar.

Camille gostou da ideia, ao chegar lá se deparou com tamanha beleza, disse que seria feliz ali. Mudou rapidamente seu pensamento quando se deparou com o jardineiro conhecido como "Zenão do Riso", pelo nome já da pra perceber que é uma criatura cheia de peripécias, o que não agrada nada a Dra. sabe tudo. No primeiro momento ela quer ir embora, mas o marido implorou pra que ficasse. Ela margeia seus problemas, não enxerga seu interior, é um ser humano impenetrável que se perde no redemoinho de sua capacidade de argumentar. Vivia cada vez mais intimista, isolada, encarcerada em seu mundo, sendo prisioneira de suas emoções e não consegue se tratar com um profissional, diz que nenhum tem capacidade de tratá-la.

Essa nova fase na fazenda vai trazer muitas mudanças em sua vida que podem ser para melhor ou para pior, tudo depende dela para mudar a situação na qual se encontra. Quando o jardineiro entra em cena um novo capítulo se inicia na história de Camille, ao contrário do que ela pensa, esse personagem é conhecedor da filosofia e vai instigá-la cada vez mais a debater seus conhecimentos.

Armadilhas da mente traz um desfecho muito lindo e emocionante, tem uma narrativa maravilhosa e a cada página há uma surpresa. Ele não é um livro de autoajuda cheio de doses motivacionais, mas um romance bem narrado, com diálogos densos e reviravoltas inesperadas. A história de Camille é intrigante e envolvente. Possibilita ao leitor fazer uma viagem pela psicologia e filosofia, nos fazendo refletir sobre o que somos e a maneira que agimos em determinadas situações.

RESENHA: LIVRO "O GUARDIÃO", DE NICHOLAS SPARKS



Sinopse:

Quarenta dias após a morte de seu marido, Julie Barenson recebe uma encomenda deixada por ele. Dentro da caixa, encontra um filhote de cachorro dinamarquês e um bilhete no qual Jim promete que sempre cuidará dela. Quatro anos mais tarde, Julie já não pode depender apenas da companhia do fiel Singer, o filhotinho que se tornou um cachorro enorme e estabanado.

Depois de tanto sofrimento, ela enfim está pronta para voltar a amar, mas seus primeiros encontros não são nada promissores. Até que surge Richard Franklin, um belo e sofisticado engenheiro que a trata como uma rainha. Julie está animada como há muito tempo não se sentia, mas, por alguma razão, não consegue compartilhar isso com Mike Harris, seu melhor amigo. Ele, por sua vez, é incapaz de esconder o ciúme que sente dela. Quando percebe que seu desconforto diante de Mike é causado por um sentimento mais forte que amizade, Julie se vê dividida entre esses dois homens. Ela tem que tomar uma decisão. Só não pode imaginar que, em vez de lhe trazer felicidade, essa escolha colocará sua vida em perigo.

O guardião contém tudo o que os leitores esperam de um romance de Nicholas, mas desta vez ele se reinventa e acrescenta um novo ingrediente à trama: páginas e mais páginas de muito suspense.


Resenha: 

O livro conta a história de Julie, ela teve uma infância muito difícil, teve que sair de casa nova por sofrer abusos de seu padrasto e ser desprezada por sua mãe. Viveu nas ruas durante seis meses, até que conheceu Jim. Ele ofereceu ajuda conseguindo um emprego para ela e um lugar pra morar, tudo isso sem segundas intenções, sempre a tratou com muito respeito. Com o passar do tempo eles foram se apaixonando e casaram-se. Após o quarto ano de casados Jim faleceu devido a um tumor cerebral. Foi uma perda irreparável para Julie, Jim era tudo que ela tinha. Passou quatro anos sem sair com ninguém, apenas trabalhava e o restante das horas livres ficava na companhia de Singer, um cão dinamarquês que seu marido lhe deixara de presente após a morte.

Quer saber como é ser viúva? Então lhe direi: Jim está morto e agora sinto como se eu também já não vivesse. Julie se perguntava se era isso que as pessoas queriam ouvir. Ou se esperavam que ela dissesse os lugares comuns: Vou ficar bem.

Após esses quatro anos ela decide se abrir para o amor novamente, mas as experiências não foram muito boas, todos os caras eram eliminados por apresentar algum defeito que Julie não suportaria lidar. Até que aparece Richard Franklin e a convida para sair e lhe surpreende com jantares em restaurantes finos. Ele é simpático e demonstra muito interesse nela. Julie está animada com a nova paquera, mas quem não gosta muito disso é Mike Harris, seu melhor amigo que também era amigo de Jim. Este sempre quis ter algo a mais que amizade com Julie, mas ela não conseguia vê-lo como namorado, tinha a sensação de estar sendo infiel ao seu falecido marido mesmo após anos de sua morte e de Mike ser uma excelente pessoa que até mesmo Jim aprovaria a relação. Mike sabia de tudo sobre Julie e ela tinha medo que essa amizade fosse destruída caso não dessem certo juntos. Então resolve não ir além com seu amigo e engatar num romance com Richard, sem saber das consequências que essa escolha pode acarretar.

Depois de um tempo Julie já não quer mais ficar ao lado de Richard, pois percebe que não gosta tanto dele quanto imaginava, não o suficiente para estarem juntos. E durante esse tempo que está com ele vê que deveria estar com Mike, pois agora estava entendendo seus sentimentos e certa de que queria dar uma chance para o amigo. Daí ela o chama pra sair e eles descobrem a tamanha sintonia que têm juntos e que pode ser o início de uma grande paixão. Claro que Richard não reagiu bem por ter sido dispensado, mas sua atitude foi além do esperado, ele ficou agressivo, tentando voltar com Julie a qualquer custo, pois estava obcecado. Sem obter retorno decide armar um plano pra tirar Mike do seu caminho e reconquistar a mulher. Isso envolve uma série de mentiras, manipulação, violência e crimes.

O desenrolar da história é bem tranquilo logo no início. Os personagens são apresentados e há uma série de diálogos entre eles, tudo bem comum do cotidiano. Até que quando começa a narrar os encontros de Julie e Richard percebemos que há algo errado, essas suspeitas vão se concretizando mais à frente quando um dos personagens também começa a ficar inquieto com certas situações. O que era calmo e simples passa a ficar turbulento e cheio de suspense.

O drama e romance são elementos principais dos livros de Nicholas Sparks, mas O Guardião foi muito além disso, fui surpreendida com muita ação, evolvendo crimes, aventura, engatando no gênero policial. Mas é claro que ele não deixaria de arrancar lágrimas dos leitores não é mesmo? haha. O cão Singer tem uma importância imensa na obra e é um personagem que deixa aquela carga emocional e poderá ser peça chave para desvendar todo o mistério.

Foi um leitura excelente, o autor caprichou mais uma vez. Logo no início da leitura eu achei um pouco demorado pra ir às partes principais, mas depois que elas chegam entendi o motivo da "demora" que torna-se necessária para todo o contexto. Nicholas é simplesmente sensacional.


RESENHA: LIVRO "OUTROS JEITOS DE USAR A BOCA", RUPI KAUR


Sinopse: Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta quem o lê em uma jornada por momentos amargos da vida e encontra uma forma de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta e artista plástica nascida na Índia e que vive no Canadá, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares impressos.


Resenha: É um livro de poesia divididas em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura. Ela escreve com a alma, onde suas emoções e sentimentos são passados de forma intensa que nos faz rir e chorar junto com ela. A parte do amor é mais leve e alegre, na ruptura há uma volta para os momentos sensíveis da dor e a cura retorna para a parte leve. Rupi transforma essas dores e lembranças ruins em algo bonito e sincero. Seus poemas são um tapa na cara da sociedade, pois falam de experiências reais, com teor familiar, términos, mentiras, traições.

A leitura é rápida e em cada página há uma mistura de sentimentos e emoções. A mensagem que traz é mostrar o dia feminino, a opressão por trás do nosso corpo e das nossas escolhas, por isso é tido como um livro feminista. Os poemas são pequenos e diretos que conseguem prender o leitor, gerando grande impacto, a cada poema fiquei de boca aberta e sem palavras. Eles têm ênfase em etapas e processos pelos quais a mulher tende a passar ao longo da vida. Eu amei o livro e recomendo, achei muito interessante a maneira que ela escreve sendo direta, realista, sem precisar maquiar. São coisas que acontecem de fato e a forma que ela enfrentou e enfrente cada situação.


Eu não fui embora porque eu deixei de te amar
eu fui embora porque quanto mais eu ficava
menos eu me amava.

Não sei porque me rasgo pelos outros mesmo sabendo
que me costurar dói do mesmo jeito depois.

Se você não é suficiente para você mesma
você nunca será suficiente para outra pessoa.

TEXTO: CRESCER SEMPRE

Hoje trago para vocês uma história que relata muito o que vivenciamos no nosso dia-a-dia e antes de ficarmos enfurecidos e querer tirar satisfações, primeiro vamos analisar as nossas atitudes e entender o que leva a certos acontecimentos. Espero que gostem.

--

João trabalhava em uma empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa. Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação:

- Patrão, tenho trabalhado nesses 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado. O Juca está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu. 

O patrão escutou atentamente e disse:

- João, foi muito bom você vir aqui.

Antes de tocarmos nesse assunto, tenho um problema para resolver e preciso da sua ajuda. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi. João, meio sem jeito, saiu da sala e foi cumprir a missão. Em cinco minutos estava de volta.

- E aí, João?

- Verifiquei como o senhor mandou. O moço tem abacaxi.

- E quanto custa? 

- Isso não perguntei, não.

- Eles têm quantidade suficiente para atender a todos os funcionários?

- Também não perguntei isso, não.

- Há alguma fruta que possa substituir o abacaxi? 

- Não sei, não.

- Muito bem João. Sente-se ali naquela cadeira e me aguarde um pouco.

O patrão pegou o telefone e mandou chamar Juca. Deu a ele a mesma orientação que dera a João.

- Juca, estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Vá até lá e verifique se eles têm abacaxi, por favor.

Em oito minutos o Juca voltou.

- E então? Indagou o patrão.

- Eles têm abacaxi sim, e em quantidade suficiente para o nosso pessoal; e se o senhor preferir, tem também banana, laranja e mamão. O abacaxi é vendido a R$1,50 cada; a banana e o mamão a R$1,00 o quilo; o melão a R$1,20 a unidade e a laranja R$20,00 o cento, já descascada. Mas como eu disse que a compra seria em grande quantidade, eles darão um desconto de 15%. Ai aproveitei e deixei reservado. Conforme o senhor decidir, volto lá e confirmo - explicou Juca.

Agradecendo as informações, o patrão dispensou-o. Voltou-se para João, que permanecia sentado ao lado, e perguntou-lhe:

- João, o que foi mesmo que você estava me dizendo?

- Nada sério não patrão. Esqueça. Com licença. E João deixou a sala.